Os diferentes tipos de empresa independente geram muita movimentação nos setores produtivo e financeiro da economia nacional. No Brasil, existem 6,4 milhões de estabelecimentos. Desse total, 99% são micro e pequenas empresas (MPE). Em meio ao cenário, é importante destacar que ser dono de um negócio independente exige um empreendedorismo constante. Isso é, ser responsável pelo crescimento econômico e pelo desenvolvimento do seu projeto, entendendo seu objetivo e visando valores que acrescentem individualmente e socialmente.

 

 

O mercado criativo, também chamado de economia criativa, permite que ações artísticas, culturais e intelectuais produzam valor econômico. Segundo o “Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil”, publicado pela Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) em dezembro de 2016, a área criativa gerou uma riqueza de R$ 155,6 bilhões para a economia brasileira em 2015.

Ser um profissional independente permite que você seja uma peça da economia criativa e construa sua área profissional de forma autônoma, participando de editais culturais, divulgando sua música a partir de plataformas de streaming, realizando parcerias, entre outras opções. 

Por isso, o mercado da música independente exige o cumprimento de certas obrigações. Uma banda independente tem mais liberdade artística para compor seus arranjos mas, ao mesmo tempo, tem uma série de outras responsabilidades que precisam ser atendidas pelos próprios membros, como o cultivo do relacionamento com o público, gravação de conteúdo em vídeo e a distribuição correta das canções.

 

Bandas Independentes que você precisa conhecer

1. Pluma

Formada por Diego Vargas (teclado/synth), Guilherme Cunha (baixo), Lucas Teixeira (bateria) e Marina Reis (vocal), a banda Pluma surgiu a partir de uma união de estudantes da faculdade Belas Artes.Todos os integrantes do grupo são formados em Produção Fonográfica e o quarteto mistura sons do jazz, rock psicodélico e pop. O grupo deve lançar seu primeiro EP ainda no segundo semestre de 2020.

2. Fraterna Trip

A banda paulista Fraterna Trip é formada por Bruno Jelen (baixista), Rafael Monteiro (vocal), Matheus Saway (baterista) e Leo Kapáz (guitarrista). O grupo musical existe desde 2019 e possui um EP (formato estendido) em catálogo entitulado “Te encontro na saída”, que mistura em seu som rock, MPB e samba.

3. lllucas

O cantor e compositor lllucas possui um álbum entitulado “Creme Azedo”, lançado ainda em 2020, com 4 faixas que misturam os estilos musicais dream pop, wave e lo-fi.

4. Maracatech

Maracatech é composta pelo DJ e produtor musical Fel C, o vocalista e letrista João Feijão e o multi-instrumentista Guidola, que juntos misturam a ancestralidade de ritmos como maracatu, baião, forró e carimbó com o que há de mais moderno e atual.

5. Applegate

A Applegate já possui um álbum em catálogo chamado “Movimentos Regulares”. O grupo musical foi fundado por Gil Mosolino, que também é compositor, vocalista, guitarrista e responsável também pelos sintetizadores da banda. Os seus integrantes são: Rafael Penna (artista visual, baixista e trompetista), Vinícius Gouveia (guitarrista) e Pedro Lacerda (baterista, vocalista e compositor).

6. Tagua Tagua

Tagua Tagua é um ousado projeto criado pelo compositor e produtorFelipe Puperi, que também já foi vocalista da banda Wannabe Jalva. Já existem diversos singles amados pelo público como Pedaço Vivo e Inteiro Metade.

7. Viratempo

Viratempo é uma banda paulista, formada em 2014, seguindo o estilo musical indie. O grupo é composto por Vallada (voz/teclado), Dan Albuquerque (guitarra), Hygor Miranda (baixo) e Max Leblanc (bateria). Em 2018, lançaram o álbum “Cura” e, em 2020, lançarão um EP intitulado “AUTOCURA”.

8. Inconsciente Coletivo

Desde 2015, a banda Inconsciente Coletivo, por meio de suas letras e composições, denuncia as escleroses urbanas em meio ao caos do Eu, num estilo que vai do reggae à MPB e do baião ao rock progressivo. Em sua formação: Caue Gaal (vocalista), Lucas Trentin (guitarrista), Rodrigo Karrer (baterista), Gabriel Lessa (guitarrista), Caique Benedetti (vocalista), Matheus Riezu (baixista).

9. Eugênio

Formada em 2017 e composta por Lud Marolli, Murilo Shoji, Paulo Lins e Sthé Caroline, este quarteto sorocabano surge da Manchester paulista com o intuito de cantar sobre dor e suas consequências.

 

Deixe um comentário