Atualmente, uma nova forma econômica está ganhando espaço e ultrapassando os limites alcançados pela economia tradicional. A economia criativa surgiu por meio da necessidade dos profissionais em buscar diferentes formas de fazer negócio e conquistar mais espaço em um mercado cada vez mais competitivo.

Ela é responsável por criar, produzir e distribuir serviços que utilizam como base a criatividade, a cultura e o capital social. Além de gerar renda para muitas pessoas, também promove a diversidade cultural e o desenvolvimento humano.

 

 

Esse ramo econômico está modificando o mercado. Isso porque as pessoas criativas pensam de forma diferente e criam soluções originais. Alguns países, como o Reino Unido, já começaram a incluir a criatividade em seus planos econômicos.

Economia criativa no Brasil

Segundo os dados da pesquisa “Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil – Edição 2019”, o mercado de trabalho abriu 24.500 vagas para profissionais com esse perfil em dez profissões da economia criativa. Com esse crescimento, o profissional independente passou a assumir um papel mais estratégico no mercado de trabalho.

A indústria criativa, além de abranger o profissional formal, sendo cerca de 837,2 mil indivíduos criativos formalmente empregados no Brasil, também tem espaço para o profissional independente que pode, utilizando a criatividade, alavancar seu negócio.

Como resultado desse crescimento, em 2012 foi criada a Secretaria de Economia Criativa, que inicialmente era vinculada ao Ministério da Cultura.

Setores da economia criativa

Os segmentos criativos são divididos em quatro áreas: consumo, cultura, mídias e tecnologia.

Consumo

  • Publicidade & Marketing: Atividades de Publicidade, Marketing, pesquisa de mercado e organização de eventos;
  • Arquitetura: Design e projeto de edificações, paisagens e ambientes, planejamento e conservação;
  • Design: Design gráfico, multimídia e de móveis;
  • Moda: Desenho de roupas, acessórios, calçados e modelistas.

Cultura

  • Expressões Culturais: Artesanato, folclore, gastronomia;
  • Patrimônio e Artes: Serviços culturais, museologia, produção cultural, patrimônio histórico;
  • Música: Gravação, edição e mixagem de som, criação e interpretação musical;
  • Artes Cênicas: Atuação, produção e direção de espetáculos teatrais e de dança.

Mídias

  • Editorial: Edição de livros, jornais, revistas e conteúdo digital;
  • Audiovisual: Desenvolvimento de conteúdo, distribuição, programação e transmissão.

Tecnologia

  • P&D: Desenvolvimento experimental e pesquisa em geral, exceto biologia;
  • Biotecnologia: Bioengenharia, pesquisa em biologia, atividades laboratoriais;
  • TIC: Desenvolvimento de softwares, sistemas, consultoria em TI e robótica.

Transformação do mercado

O crescimento tecnológico trouxe novos modelos de negócios e mudanças nas estruturas trabalhistas tradicionais. A tecnologia mudou completamente a forma e a velocidade em que a  informação é gerada. Assim, os consumidores conseguem comparar produtos, serviços e preços em uma maior velocidade. Se uma empresa não possuir um diferencial criativo em relação às outras, ela pode ser trocada facilmente por uma que atenda às expectativas do consumidor. O Brasil já acompanha esses mudanças, que repercutem também na busca por profissionais capazes de atender às novas demandas.

Economia Criativa e o Mercado independente

O mercado independente também precisou adaptar-se à nova forma de fazer negócio. Uma empresa independente sofre muito mais com as crises enfrentadas pelo país e o uso da criatividade pode ser a saída para manter-se forte no mercado.

Diferentemente das redes franqueadas, um negócio independente tem mais liberdade de mudar seus produtos e serviços e adequar-se ao que está acontecendo no mercado. É possível pensar em novas formas de interação com os consumidores e no uso da informação, com foco nas preferências e hábitos do cliente final.

A tendência é que a indústria criativa cresça cada vez mais. Os consumidores, além de buscarem por serviços e produtos diferenciados, também querem marcas que tenham uma visão mais orientada para o cliente e soluções inovadoras.

Deixe um comentário