O mercado da música é um ramo cada vez mais em ascensão. Uma variedade de nichos é criada dentro do espaço, e uma delas baseia-se no mercado da música independente. Gravadoras independentes, de acordo com a ABMI (Associação Brasileira de Música Independente), administram grande parte do capital gerado no ramo artístico e do mercado criativo.

 

O que é uma gravadora independente

A gravadora independente é uma forma de empreendedorismo não ligada às empresas grandes ou multinacionais. Ela presta serviços para artistas e bandas de forma livre, sem grandes burocracias e para todos os gêneros musicais. A divulgação das produções é feita também pelo próprio artista, por meio das mídias sociais de forma orgânica. 

O principal benefício de atuar dentro de uma empresa independente é que o artista recebe uma porcentagem maior em cima do lucro produzido com seu trabalho, diferente das convencionais. O que o músico arrecadar pela venda de shows, CDS, discos e álbuns ficará somente com ele. A rentabilidade é maior por ter menos profissionais envolvidos.

De acordo com estimativas, existem cerca de 300 a 500 gravadores no país com essa qualificação. Desde 2015, o mercado independente da música supera o tradicional. Nesse ramo engloba-se, além das gravadoras propriamente ditas, artistas independentes e bandas independentes.

O profissional independente é aquele que não necessita de empresários ou de contratos exclusivos, podendo inserir-se nos mais variados gêneros e trabalhar da forma em que se adapta. É comum que esses profissionais busquem gravadoras que sigam seu mesmo viés de pensamento e trabalho, visando assim, uma maior liberdade dentro do mercado criativo.

A banda independente segue o mesmo caminho de artistas solos independentes. Ela baseia-se em composições em grupo, mas com uma liberdade artística mais garantida. Canções produzidas nesses parâmetros não detêm da mesma tradicionalidade daquelas convencionais.

Em gravadoras desse gênero, a autonomia é algo extremamente ressaltado. Pode-se considerar que a liberdade dentro desse mercado independente é um dos maiores benefícios. Além do mais, o músico não fica preso em trabalhar somente com uma empresa, podendo fechar contrato com mais de uma, testando novas formas de produzir.

Publicidade da música independente

A publicidade da música independente é pautada em uma divulgação feita por aquele que produz. Cabe ao artista ou a banda garantir seu marketing. Mas erra quem pensa que isso oferece uma menor visibilidade: as plataformas de streaming permitem que músicas independentes ocupem o mesmo espaço daquelas geradas por gravadoras não independentes.
 
As mídias sociais e plataformas de vídeo como YouTube também ajudam a impulsionar a visibilidade do negócio independente. Com a ausência da mesma burocracia presente nas tradicionais, a liberdade novamente é o foco. A divulgação não tem um padrão ou modo a seguir, depende de cada artista. 

O mercado da música independente no Brasil já lançou grandes nomes, alguns conhecidos até de forma internacional. Tim Maia é um exemplo claro. O cantor introduziu gêneros como Soul e o funk da MPB. Foi um dos primeiros artistas independentes. Isso mostra que grandes nomes surgem dentro de gravadoras que seguem esse modelo. O próprio Spotify trabalha com playlists próprias de artistas e bandas oriundas de uma formação independente. 

Deixe um comentário