EntretenimentoIndicações

Protagonismo feminino: veja 5 séries incríveis

Por janeiro 29, 2021Sem comentários

O protagonismo feminino teve um aumento significativo nas séries originais lançadas por streamings entre 2019 e 2020. É o que revela uma pesquisa do Centro de Estudos de Mulheres na Televisão e no Cinema da Universidade de San Diego. Apesar de ainda não haver homogeneidade, os dados mostram uma forte mudança.

As personagens femininas representadas na TV foram, por muito tempo, apagadas ou relegadas a estereótipos sendo muitas vezes uma âncora para o protagonista masculino. Hoje a realidade é bem diferente e temos cada vez mais produções que destacam as diferentes facetas e personalidades femininas.

Fizemos uma seleção de 5 séries incríveis com protagonismo feminino para garantir o seu entretenimento e ensinar muito com suas histórias. Separe a pipoca e confira!

  1. Jane, The Virgin

Para começar as indicações uma série que conta com o protagonismo feminino em diferentes gerações. Jane (Gina Rodriguez) é acidentalmente inseminada artificialmente no lugar de outra mulher e se vê grávida, embora ainda seja virgem. Para lidar com a situação, ela conta com o apoio da mãe (Andrea Navedo) e da avó (Ivonne Coll) que compartilham suas próprias vivências e crenças.

Em meio a paixões, dramas, crises e muita loucura, a série narra com bom humor e uma leve sátira às novelas mexicanas a história de Jane e incluem todas as mulheres que a rodeiam como a médica responsável pela inseminação e a mulher que deveria ter seu inseminada em seu lugar. 

  1. Homeland

Para quem gosta de investigação e tem interesse nos temas que envolvem as guerras no Oriente Médio, Homeland é uma ótima pedida! A protagonista, Claire Danes (Carrie Mathison) é uma agente da CIA que suspeita de um possível ataque terrorista aos EUA após o regresso de um soldado americano que permaneceu em cativeiro no Iraque por oito anos. 

Além de ser mulher em um ambiente extremamente machista, Claire é bipolar, o que gera alguns questionamentos a respeito de suas convicções (não só nos personagens da série, mas também no telespectador!). Forte e determinada, ela inicia uma investigação para provar suas suspeitas e ao longo da série vai mostrando um pouco da sua constante luta para salvar o país e a si mesma.

  1. How To Get Away With Murder

Annalise Keating (Viola Davis) é advogada da área criminal e professora de direito em uma universidade da Filadélfia. Ao escolher cinco alunos para acompanhar de perto seus casos, ela acaba se envolvendo em uma série de assassinatos que se misturam com a história do seu casamento. 

Vencedora de vários prêmios, entre eles o Emmy de “Melhor atriz de série dramática” a série How to get away with murder (Como se livrar de um assassinato) garante não apenas uma atuação brilhante da protagonista, mas a costrução de uma história que envolve muitas controvérsias e supresas.  

  1. Orphan Black

Sarah Manning (Tatiana Maslany), uma órfã britânica com um histórico de delitos criminais, testemunha o suicídio de uma mulher e decide assumir a sua identidade, pois ela se parece exatamente como ela. Logo Sarah descobre que a mulher era sua clone e que ela não é a única. 

Sarah tenta desvendar o mistério de como elas surgiram e acaba conhecendo um pouco mais dessas mulheres que só são iguais na aparência. Uma mistura de investigação, mistério e ficção científica, Orphan Black pode ser o seu novo vício televisivo. 

  1. My Mad Fat Diary

Para finalizar as recomendações, uma série britânica e adolescente para quem quer se envolver com uma história apaixonante, mas que levanta diversas questões importantes envolvendo o corpo e outros questionamentos que surgem na adolescência.

Em My Mad Fat Diary somos apresentados a Rae (Sharon Rooney), uma jovem de 16 anos que sofre de excesso de peso e relata em seu diário sua experiência em lidar com o próprio corpo, seus relacionamentos com amigos e sua mãe.

Gostou das dicas? Separamos séries de gêneros diferentes, mas também que apresentassem mulheres de grupos diferentes para mostrar a amplitude da representatividade. Aproveite para deixar nos comentários as suas recomendações! 

Deixe um comentário